Só me arrependo dos erros que não me permiti cometer.



Estive a ver algumas fotografias tiradas quando voltei para Portugal.
Apesar de não ter passado assim tanto tempo, não me identifico com aquela miúda, tão bonita, bem-disposta de olhar vivo e brilhante, confiante, doce e meiga como não é possível e de pele macia e luminosa.
O regresso ao país não correu como esperado, muito pelo contrário, na altura, se estivesse mais atenta e menos doente física e psicologicamente, teria fugido daqui ao primeiro desaire.
Fiquei, aguentei, fiz muitas coisas, viagens, formações, aprendi novas línguas, conheci novos lugares e pessoas, enquanto ignorava a única pessoa que importava, eu.
Passaram 5 anos, cinco anos que, apesar de não terem sido desperdiçados por completo, podiam ter sido mais frutíferos se não tivesse feito tanta coisas só para me evitar.
Entretanto decidi deixar-me de merdas e fazer-me à vida, mais tempo foi passando desde que tomei esta decisão, tempo mal aproveitado em que não fiz metade do que queria.
Antes que chegue o verdadeiro frio de Inverno, a preguiça e inércia reconfortante acompanhada da mantinha e do chocolate quente, decidi pegar em mim e começar a fazer algumas das coisas que há algum tempo queria fazer, a primeira é a de nunca mais me desiludir, a segunda é não me esquecer que tenho que ser mais paciente comigo e não me esquecer que também eu sou humana com tudo o que isso implica.
Hoje é o inicio de uma nova vida que quero cheia de vitórias e também de momentos esbanjados, mas em boa companhia cheios de cor, barulho,quedas, tropeções, hematomas, arranhões, risos e sobretudo sem E se…

11 comentários:

Jack Merridew disse...

Caramba, se soubesse que ias tomar uma resolução dessas já tínhamos saído há mais tempo!

A disse...

E se as outras pessoas não cooperarem contigo?

Isa disse...

Os e ses da vida, esses sacanas ...

Estou contigo Nawita, bem vinda ao mundo dos despropositados, magoados,chorosos, despreconceituados, de alma limpa de coisas por dizer e mais outras coisas boas e más (mas mais boas).
Viva a côr a boa companhia e que não nos falte o hirudoid.

"As outras pessoas". O inimigo nº 1
da genuinidade.

Vani disse...

essa da queda e tropeções foi pra mim não foi?...

ahahahah

Vani disse...

Nawita, e nós estamos aqui para te lembrar de ti mesma. :))))))))))))

Nawita disse...

Jack,

Foi quando tinha que ser, o momento ideal, nem cedo nem tarde, à hora certa para nos levares ao restaurante :p

Nawita disse...

A,

Há muitas coisas que dependem apenas de mim. Se as outras pessoas não cooperarem eu só tenho que arranjar uma forma de dar a volta à situação, partindo do principio que não queira mais um "E se" na minha colecção.
Ir de encontro aos outros e remar contra a maré também é fixe.

Nawita disse...

Isa,

:):)

é o mais importante, o combustível da vida.

Acho que com o tempo aprendemos a não nos trair e arranjamos formas de continuarmos a ser genuínos mesmo na presença de quem não nos percebe muito bem.



Vani,

já não me lembrava dessa. mas tendo em conta que não foi grave, até valeu a pena pelo que veio a seguir.

Funny Analana disse...

Mulher...como eu GOSTO DE TI :)

Nawita disse...

E eu de ti e da força e apoio :)

Anónimo disse...

Deixar coisas para trás, acontece a todos.
Força aí, bom 2011!